Consulta de Psicologia

Quem precisa de ir a um psicólogo?

Antigamente, pensava-se que apenas alguém com um esgotamento ou que estivesse a “ficar doido” precisava de um psicólogo. Ir consultar um psicólogo era quase um estigma. Felizmente, os tempos mudaram! Hoje as pessoas encaram com naturalidade que um psicólogo pode ajudar qualquer pessoa que esteja a atravessar momentos difíceis, que sinta dificuldades a gerir as mudanças na sua vida, ou que simplesmente queira colocar as suas ideias em ordem, ou até para ajudar a encontrar uma orientação, ou para focar num propósito, numa meta importante… Vamos em seguida apresentar algumas razões que podem justificar uma ida a um psicólogo.

Problemas

Um problema existe quando há uma discrepância entre que você faz e o que você gostaria de fazer. Por vezes, surgem complicações que interferem na nossa capacidade de resolver os nossos próprios problemas.

Pode acontecer que, apesar das suas melhores intenções e esforços para mudar as coisas, continua sem conseguir progredir, sem conseguir ultrapassar os problemas. São bloqueios. Em linguagem psicológica, pode dar-se o caso de você ter um bloqueio inconsciente ao seu progresso. Aqui, a ajuda de um psicólogo poderá ser importante para o conseguir ajudar a ultrapassar o bloqueio.

Pode acontecer que você sente-se vagamente insatisfeito com a sua vida, e não consegue vislumbrar correctamente qual será efectivamente o problema. Neste caso, com a ajuda do psicólogo poderá definir qual o problema. Quando o problema for claramente definido, você poderá seguir em frente (ou então procurar ajuda, se encontrar algum bloqueio).

Sintomas

Quando um problema não pode ser resolvido de forma simples, podemos estar perante um sintoma. Um sintoma é uma ilusão criada pelo seu subconsciente para lhe esconder de si mesmo a verdade da sua própria vida.

Muitas pessoas tentam “ver-se livres” dos problemas enchendo-se de trabalho, outras consomem substâncias em excesso, como álcool, drogas ou doces, outras ainda viciam-se em televisão, em jogos, em sexo ou internet… A verdade é que todas estas actividades são fugas, que causam mais problemas ainda, e acabam por degenerar em mais sintomas. A única solução é levar o árduo trabalho psicológico necessário para encarar a realidade da sua vida, por muito que lhe custe a admitir em algum momento.

Ansiedade

Para entender melhor o que é a ansiedade, primeiro precisamos de conhecer o o conceito de medo. Se estiver sentada numa sala, no meio da selva, e uma cobra capelo se aproximar da porta, você tem uma boa razão para sentir medo. o ser humano tem medos inatos, que servem para nos defender do perigo. Isso é saudável. No entanto, se você tiver sempre preocupado que uma cobra capelo possa entrar dentro das salas onde estiver, mesmo em locais onde é muito improvável que elas possam aparecer, como numa cidade em Portugal, então isso é ansiedade. A ansiedade não é útil nem saudável, porque baseia-se em ameaças imaginárias, e gasta tempo e energia com coisas que são improváveis de ocorrer.

A ajuda de um psicólogo será necessária para ajudar a resolver o problema em situações como:

  • Ataques de pânico;
  • Agorafobia (fobia a espaços abertos);
  • Claustrofobia (fobia a espaços pequenos);
  • Fobia social;
  • Fobias específicas como medo de voar, de elevadores, de comboios, de carros, de alturas, de túneis, de atravessar pontes, etc.;
  • Obsessões, como lavar as mãos, abrir e fechar portas, repetir palavras, entre outras;
  • Compulsões, como a cleptomania (falha em resistir a impulso de furtar objectos desnecessários), vício de jogo patológico, piromania (atear fogos para aliviar a tensão);
  • Transtorno de personalidade obsessivo-compulsivo;
  • Transtorno de stress pós-traumático;
  • Auto-mutilação.

Depressão e mania

Muitas pessoas atravessam períodos depressivos, ao longo das suas vidas. Todos nós temos momentos em que não nos sentimos bem. Algumas situações dessas podem ocorrer em períodos em que estamos mais sensibilizados, como momentos de luto, por exemplo. Há situações em que o quadro depressivo se agrava. São os transtornos depressivos maiores, popularmente conhecidos como depressões. Nessas situações é importante consultar um psicólogo. Alguns sintomas de um quadro depressivo

  • Humor depressivo;
  • Irritabilidade (em crianças e adolescentes);
  • Falta de interesse por coisas que habitualmente são agradáveis;
  • Perda de peso ou de apetite – ou o inverso (comer demais), em alguns casos;
  • Dificuldade em dormir;
  • Retardamento: fala mais lenta, pensar mais lentamente, movimento mais lento;
  • Agitação: incapacidade de ficar quieto, por exemplo;
  • Fatiga ou falta de energia: ficar na cama o tempo a maior parte do dia;
  • Sentimento de culpa ou de falta de valor;
  • Dificuldade de concentração;
  • Pensamentos sobre a morte, Sentimentos suicidas.

Além dos quadros depressivos, o psicólogo também pode ajudar em situações de desordem bipolar. No quadro bipolar, o paciente oscila entre períodos de depressão (como os descritos atrás) e períodos de mania. Características de períodos de mania:

  • Auto-estima inflada ou sentimento de grandiosidade;
  • Necessidade de dormir diminui;
  • Conversar mais que o habitual, necessidade de continuar a falar;
  • super optimismo;
  • Desinibição;
  • Sentimentos de luxúria vindos do nada;
  • Sentimento de conflito de ideias, pensamentos em catadupa;
  • Irritabilidade e impaciência;
  • Agitação;
  • Gastar demasiado dinheiro.

De qualquer forma, mesmo que pense que tem um diagnóstico sobre o seu próprio caso ou o de um seu familiar ou amigo, é sempre aconselhável consultar um psicólogo se for o seu caso, ou pedir ao seu familiar ou amigo que veja um psicólogo, se for essa a situação. Adiar uma consulta só irá piorar a situação, agravar o problema e adiar o inevitável: procurar ajuda, pois o problema não desaparece por si só.

A Sementes d’Amor tem psicólogos preparados para atender às mais diversas situações. Exponha o seu problema. Contacte: 966 683 273, ou envie um formulário de contacto.

Procura saber mais sobre Psicologia para crianças e jovens? Veja também: consulta de Psicologia Infantil.